Terapia On Line
Ligue para Nós: 11 4783 1775

Síndrome de Heller: um Mistério Sobre as Possíveis Causas do Transtorno Desintegrativo da Segunda Infância

Palavras-chave:

1. Introdução

O Transtorno desintegrativo da segunda infância foi descoberto por Theodore Heller um austríaco que em 1908 analisou 6 casos de crianças que tinham um desenvolvimento normal e começaram a regredir. Ele notou que as crianças perderam a sua interação, seu controle intestinal, sua vontade de brincar e interagir. Geralmente atinge as crianças com faixa etária superior aos 2 anos de idade e sempre inferior aos 10 anos de idade.

A criança fala as primeiras palavras, brinca de faz de conta, interage com outras pessoas, tem um desenvolvimento normal. Notando-se facilmente uma regressão motora e intelectual. A criança que antes fazia coisas simples como tirar uma meia, já não consegui mais.

A incidência é de 1 em 50.000 crianças, é de cerca de 70 vezes menos comum do que o próprio autismo. E pelo fato da semelhança com o transtorno autista á uma grande confusão para diagnosticar, muitas vezes dando ao portador da Síndrome de Heller uma denominação de autista. A deterioração pode ser súbita ou gradual físico, cognitivo, emocional e comportamental. A maioria das crianças só recuperam 20% do que foi perdido. Porém nos casos mais graves não se percebem melhoras.

2. Referencial Teórico

A Síndrome de Heller é considerada um tipo de autismo tardio, porém foi descoberta 35 anos antes de descreverem pela primeira vez o autismo. A síndrome tem um quadro bem pior. Os portadores da Síndrome de Heller não interagem com outras pessoas, recusam a companhia de pessoas familiares e não brincam com outras crianças. Até um simples rabiscar no papel eles deixam de fazer (BERCHERIE, 2001).

O período da regressão dura de 4 a 8 semanas. A criança deixa de ter uma linguagem expressiva, não juntando palavras para completar frases e nem entendendo o que outras pessoas falam. A regressão motora é a mais difícil, porque a criança apresenta muita agitação e confusão, antes andava e já não anda mais e nem comer sozinha ela consegue. Sempre evita o contato visual com outras pessoas, não gosta de abraços e nem de beijos, sua expressão facial pode não refletir mais o que está sentindo, pode fazer movimentos repentinas vezes sem nenhum significado e não existe mais afeto, vivem em seu próprio mundo. A Síndrome atinge na maioria das vezes o sexo masculino (DSM-IV, 1995).

O diagnóstico pode ser uma tarefa bastante difícil, é feito através da observação muito cautelosa para não haver engano, os primeiros sintomas observados são relacionados à linguagem e à capacidade de comunicação, já que a criança começa a apresentar dificuldades de expressar sentimentos e emoções começando também a apresentar dificuldades em utilizar palavras que já eram conhecidas por elas.

Os passos seguintes da síndrome são a perda de autonomia, diminuição gradativa do controle intestinal até atingir o nível da perda total, diminuição do interesse pelas atividades sociais que anteriormente eram interessantes, isolamento, perda das capacidades motoras. Com isso a criança com Síndrome de Heller passa a ter dificuldades em andar, segurar objetos realizar algo simples para qualquer Criança não portadora.

O tratamento é feito de forma multimodal, que inclui remédios que diminuem sintomas secundários da doença, como os transtornos de sono. Também é feito as terapias sociais tentando a reintegração da criança no meio social que vive e também é feito fisioterapias, os medicamentos utilizados no tratamento da Síndrome de Heller também auxiliam a criança a conseguir se readaptar ao convívio social, especialmente com a sua família. Além disso, esses medicamentos também buscam fazer com que a criança recupere ao menos em parte, o seu desenvolvimento motor, que fora perdido com a manifestação da Síndrome (MERCADANTE; VAN DER GAAG e SCHWARTZMAN, 2006).

As causas ainda são desconhecidas, embora a maioria dos pesquisadores trata a Síndrome como um autismo tardio em sua etiologia, porém alguns defende que pode ser má formação nas placas amiloides ou algum problema no encéfalo.

3. Metodologia

O presente estudo mostra-se de natureza aplicada, realizado através de uma revisão sistemática de literatura. Foi executado através da consulta de artigos científicos utilizando como fonte de busca o SCIELO, LILACS. O mesmo estudo utilizou-se dos descritores: Heller; Regressão; Transtorno. Optou-se por basear na análise de 10 artigos, onde apenas 4 foram utilizados como base de dados. Para apreciação do tema escolhido seguiu-se os critérios de inclusão: ser publicado entre os anos de 1995 a 2006 e observado pelo menos quatro descritores nos artigos selecionados, sua relevância científica e sua relação ao sujeito em estudo. A revisão foi realizada entre os meses de fevereiro a agosto de 2015

4. Considerações Finais

Diante do que foi apresentado, conclui-se que a Síndrome de Heller não é tratada com a devida importância, nem ao menos podemos citar suas reais causas, entendemos que a Síndrome de Heller merecia pesquisas mais avançadas. Como um quadro irreversível a criança que antes tinha tudo para ser normal, passa a ter sua vida revirada pelo avesso, tornando-se totalmente dependente pelo resto da vida. Sem sociabilização e autonomia nenhuma.

O fato é que se trata de uma doença que traz muito sofrimento para as crianças e também para os pais, que sofrem ao ver seus filhos desaprendendo o básico do que haviam aprendido até então. As equipes profissionais devem dar total apoio aos pais, pois enfrentarão uma nova fase da vida que não irá passar, fazendo com que eles entendam e mesmo que seja difícil, tenham paciência. O principal apoio da equipe deve ser na criança, porque o quão difícil é saber andar e fazer coisas simples sozinhas e de repente já não conseguir mais.

Sobre os Autores:

João Batista Bezerra Lima – Bacharelado em Psicologia da Faculdade Vale do Salgado/FVS.

Sandra Mary Duarte – Mestranda em Ciências da Educação na Universidade de Trás os Montes e Alto Douro-Portugal. Especialista em Gestão. Pedagoga. Psicóloga. Docente da Disciplina de Psicologia do Desenvolvimento I E II   da Faculdade Vale do Salgado-FVS.

Referências:

Fonte: https://psicologado.com/psicopatologia/sindrome-de-heller-um-misterio-sobre-as-possiveis-causas-do-transtorno-desintegrativo-da-segunda-infancia © Psicologado.com

Deixe uma resposta

0
Connecting
Please wait...
Send a message

Sorry, we aren't online at the moment. Leave a message.

Your name
* Email
* Describe your issue
Login now

Need more help? Save time by starting your support request online.

Your name
* Email
* Describe your issue
We're online!
Feedback

Help us help you better! Feel free to leave us any additional feedback.

How do you rate our support?